Diane Torr Meninas serão meninos, serão rainhas (1986)
  • Título: Girls Will Be Boys Will Be Queens
  • Holdings: photo gallery
  • Duração: Unknown
  • Idioma: English
  • Data da performance: 4-5 Dec 1986
  • Lugar: Franklin Furnace, New York, New York, USA
  • Cast/Performers: Performed by Diane Torr, Lizzie Olesker, and Christina Koenig.
  • Credits: Conceived by Diane Torr; Costume and set design by Loredana Rizzardi; Sound by Bob Kirschner, Carol Parkinson, and Barb Solow; Technical Direction by Marcel Meijer; Technical Assistance by Holly Gram; Slide photography by Ann Turyn; Voiceover by Ron King; Film by Patricia Ryan.

Diane Torr Meninas serão meninos, serão rainhas (1986)

Diane Torr pesquisa a política da fluidez do gênero e da identidade sexual em Meninas serão meninos, serão rainhas / Girls Will Be Boys Will Be Queens (1986). Torr, juntamente com Christina Koenig e Lizzie Olesker, subverte as noções binárias de gênero ao atuar no palco como as drag kings – mulheres que encorporam a masculinidade e retratam os estereótipos femininos. Elas exploram as possibilidades de tornar-se mais de um gênero através de uma “metamorfose da imaginação sexual”. Vestindo ternos masculinos e outras fantasias, as performers encenam poses de um gênero específico que desconstroem os papeis de gênero estereotipados, baseados na heterossexualidade. Juntos, estes atos buscam expandir o repertório de performatividade de gênero, ao desafiar costruções socialmente aceitas de comportamento feminino.

Diane Torr (1948-2017) era uma artista performática que trabalha com a dança, instalação e cinema/vídeo. Originária de Aberdeen, Escócia, Torr desenvolveu a sua carreira artística como uma parte integral do cenário artístico da região sul da cidade de Nova Iorque. Ela criou uma extensa coleção de obras que foi apresentada em locais espalhados por toda a cidade, incluindo Franklin Furnace, The Kitchen, Danceteria e The Mudd Club, dentre outros. Torr é uma palestrante visitante na Glasgow School of Art, Stockholm University of Arts e Freie Universität Berlin. Sua renomada oficina Homem-por-um-dia / Man-for-a-Day já foi ensinada por todo o globo e é proeminentemente apresentada no filme documentário Meninoz de Vênus / Venus Boyz (2002). Ela é coautora, com Stephen Bottoms, de Sexo, drag e papeis masculinos: investigando o gênero como performance / Sex, Drag and Male Roles: Investigating Gender as Performance (2010). www.dianetorr.com

A obra performática de Lizzie Olesker explora as complexidades da experiência cotidiana em relação à linguagem, ao gesto, ao local e à história. Seus trabalhos solo, peças e obras criadas têm sido desenvolvidas e vistas no The Public Theater, New Georges, Ohio Theater, Cherry Lane Theatre, Dixon Place, Clubbed Thumb e the Invisible Dog. Olesker colaborou com a Talking Band em diversos projetos como performer e escritora no La MaMa e no HERE Arts Center e fez turnês internacionais com a companhia. Ela já foi premiada com bolsas e subsídios de instituições como Brooklyn Arts Council, Women in the Arts & Media Coalition, Dramatists Guild e New York Foundation for the Arts, com residências no Blue Mountain Center, Hedgebrook e Tofte Lake Center. O projeto híbrido de performance de Olesker com o cineasta Lynne Sachs, CADA DOBRA É IMPORTANTE / EVERY FOLD MATTERS – sobre o trabalho remunerado de lavar as roupas de outras pessoas – foi recentemente apresentado em lavanderias de bairros e está sendo convertido em um filme. Seus textos já foram publicados no Brooklyn Rail, Heinemann Press e no Cherry Lane Anthology of Plays. Olesker ensina dramaturgia na New York University e na New School e é uma organizadora da união de professores adjuntos UAW Local 7902.

Como cantora back vocal para Yo Soy, Yo Soy, The Grace Paris Band e The Wonderfuls nos anos 80, Christine Koenig foi convidada a representar uma cantora femme fatale em A estória da senhorita O / The Story of Ms. O, de The Sleazebuckets no espaço de performances space 8BC. Esta performance a levou a uma colaboração com Diane Torr e Lizzie Olesker no desenvolvimento de Meninas serão meninos, serão rainhas. Juntas, elas posteriormente criaram Édipo na boca do dragão / Oedipus in the Mouth of the Dragon, obra que foi apresentada como parte de “Art on the Beach”, em Nova Iorque. Koenig já trabalhou com a National Black Touring Company na produção de Pátria / Homeland, uma peça sobre o apartheid na África do Sul. Pouco depois, ela trabalhou com o diretor John Thorpe em Admissões abertas / Open Admissions, uma peça de um ato sobre a luta de um jovem negro para permanecer na CUNY durante os anos 60. Koenig trabalhou por mais de vinte anos no Henry Street Settlement e obteve um mestrado em Assistência Social do Hunter College.


Materiais adicionais

icon Girls Will Be Boys Will Be Queens Performance Proposal

icon Girls Will Be Boys Will Be Queens Press Release

icon Girls Will Be Boys Will Be Queens Performance Program


back to top