DONATE

Holly Hughes Pregando para os pervertidos (1999)
  • Título: Preaching to the Perverted
  • Holdings: video (HIDVL)
  • Duração: 02:02:16
  • Idioma: English
  • Data da performance: Sep 1999
  • Lugar: New Conservatory Theatre, San Francisco, California, USA
  • Type/Format: performance
  • Credits: Written and performed by Holly Hughes; Directed by Lois Weaver.

Holly Hughes Pregando para os pervertidos (1999)

Holly Hughes investiga a política da arte e da democracia em Pregando para os pervertidos / Preaching to the Perverted (1999). Hughes inicia a performance discutindo a sua aparição diante da Suprema Corte dos Estados Unidos no caso NEA v. Finley. Hughes e os artistas Karen Finley, John Fleck e Tim Miller tiveram os seus subsídios revogados pelo National Endowment for the Arts (NEA) com base em obscenidade. Estes artistas, posteriormente conhecidos como os “Quatro NEA”, entraram com um processo contra o National Endowment for the Arts, reivindicando direitos estatutórios sob a Primeira Emenda Constitucional. Ao longo de toda a performance, Hughes reconstitui cenas do julgamento perante a Suprema Corte Americana, que ela chama de “espetáculos teatrais”, ao tempo em que assinala o contexto mais amplo de censura da arte nos Estados Unidos. Ela descentraliza debates nacionais em torno da liberdade, da cidadania e da democracia a partir de um ponto de vista lésbico feminista e reivindica sua liberdade artística, criando performances que abordam políticas corporais radicais. O testimônio de Hughes, juntamente com os de Finley, Fleck e Miller, levaram a Suprema Corte dos Estados Unidos a julgar a favor dos Quatro NEA e contra o National Endowment for the Arts. Após a performance, Hughes participa de uma sessão de perguntas e respostas com a audiência, onde ela discute mais profundamente o caso dos Quatro NEA e o clima político nos Estados Unidos durante os anos 90. Pregando para os pervertidos era para ser parte do netcast História do futuro / History of the Future (1999), do Franklin Furnace, no The Performance Channel (www.channelp.com), da Pseudo Programs, Inc. No entanto, a empresa faliu durante o auge da guerra cultural, deixando a filmagem da performance inacessível até a sua publição na íntegra pela HIDVL em 2018.

Holly Hughes é uma escritora e performer que iniciou as suas aventuras dramáticas no W.O.W. Café Theater na cidade de Nova Iorque. A sua obra performática lida com questões de identidade e desejo sexual, obtendo reconhecimento internacional de comunidades artísticas. Ela recebeu o prêmio Village Obie e uma bolsa Guggenheim. Hughes já recebeu financiamento do Creative Capital, NYSCA e NEA, bem como a ira da direita religiosa durante a guerra cultural. Seus livros incluem Notas clitoriais: uma amostra sáfica / Clit Notes: A Sapphic Sampler (1996), O Solo Homo: a nova performance queer / O Solo Homo: The New Queer Performance (1998), Atos animais: representando as espécies atuais / Animal Acts: Performing Species Today (2014) e Memórias da revolução: dez anos do WOW Cafe / Memories of the Revolution: Ten Years of the WOW Cafe (2015). Hughes é professora na University of Michigan, onde ela fundou o bacharelado de Belas Artes em Performance Interartes.


Video

Permanent URL: http://hdl.handle.net/2333.1/jq2bvsn7