DONATE

Você está aqui:Coleções Especiais»HIDVL Perfis de artistas»Franklin Furnace: Performance and Politics»Franklin Furnace: Trabalhos»M. Lamar Vigilância, punição e o psiquismo negro (2013)
M. Lamar Vigilância, punição e o psiquismo negro  (2013)
  • Título: Surveillance Punishment and The Black Psyche
  • Holdings: photo gallery, video (HIDVL)
  • Duração: 00:59:40
  • Idioma: English
  • Data da performance: 26 Oct 2013
  • Lugar: The Club at La MaMa, New York, New York, USA
  • Type/Format: performance, film, multimedia
  • Cast/Performers: Performed by M. Lamar.
  • Credits: Written by M. Lamar; additional text by Tucker Culbertson; Directed by Tucker Culbertson; Music by M. Lamar; Sound design by Bryce Hackford; Animation and video by Sabin Cauldron; Live video/feed design by Gigantic.

M. Lamar Vigilância, punição e o psiquismo negro (2013)

M. Lamar examina a política sexual em torno da vigilância do corpo negro masculino em Vigilância, punição e o psiquismo negro / Surveillance, Punishment and The Black Psyche (2013). Ambientada no Sul dos Estados Unidos, esta obra de Lamar retrata um prisioneiro no corredor da morte que canta sobre o legado histórico dos homens negros, vigiados por supervisores brancos. Performance apresentada na tradição do espiritual, a narrativa da canção está centrada num escravo condenado à morte por matar o seu senhor, que ele amava. Ao longo dessa fantasia colonial, as políticas do desejo interracial e homossexual são exploradas a partir do ponto de vista de um homem negro. Conforme evidenciado na letra “Com o seu toque eu me senti livre”, a disciplina torna-se uma forma de prazer, ao invés de ser um castigo. Aqui, Lamar reverte a dinâmica do poder do olhar do supervisor branco – o escravo negro associa a vigilância do seu senhor com afeto ao invés de perseguição. Quando a canção vai acabando, o prisioneiro faz alusão à prisão- complexo industrial como uma forma de escravidão moderna, ao tempo em que conecta o papel que a vigilância policial exerce na execução dessa opressão. Finalmente, a negritude está sempre sob vigilância e sujeita a punição pela supremacia branca.

M. Lamar é um compositor que trabalha com a música, a performance, o vídeo, a escultura e a instalação. Profundamente baseado no espiritual negro, Lamar usa sua voz lírica e toca o piano para comentar sobre as políticas da negritude. Ele combina música clássica ocidental e o metal negro dissonante para criar narrativas de transformações radicais. Lamar já apresentou suas obras no New Museum, MoMA PS1, Participant Inc., The Kitchen, PS122, dentre outros locais de arte internacionais. Lamar já recebeu subsídios do Franklin Furnace (2013-14), Harpo Foundation (2014-2015), Rema Hort Mann Foundation (2015) e Material Vodka (2016). Ele recebeu ainda uma bolsa da New York Foundation of the Arts para Música e Som (2016). Lamar tem um bacharelado em Belas Artes do San Francisco Art Institute e cursou o programa de Escultura da Yale School of Art antes de abandonar o curso para estudar música. Ele continua estudando as técnicas clássicas e bel canto com Ira Siff enquanto apresenta a sua obra por todo o mundo. www.mlamar.com


Image Gallery

Video

Permanent URL: http://hdl.handle.net/2333.1/w9ghx8vc